Atento, curioso, perseverante, amante das artes, cinema, vídeo, música e principalmente, fotografia. Gosto da paisagem urbana, dos arranha-céus, da movimentação das pessoas, dos automóveis, das grandes avenidas, do contraste entre o moderno e o antigo. Minhas fotos remetem a esse paradoxo. Dentro de uma modernidade que às vezes assusta, procuro encontrar detalhes, fendas, gretas e brechas que revelem mais detalhes de um contexto minimalista, macro ou micro. Remetendo muitas vezes a um passado que não quer morrer. Ou um futuro que não quer chegar. Ou um presente que quer se perpetuar.

Olha só, me desfiz de muita coisa nos últimos meses mas essa câmera Argus C3, fabricada entre 1939 a 1966, não consegui. Ele fica na minha mesa de trabalho sempre, como um amuleto da sorte. Quantas mãos já não a tocaram? Quantos cliques já não foram desferidos por dedos das mais variadas pessoas… ? Ela foi-me confiada por um tio já falecido e está comigo há pelo menos uns 30 anos… Quem tiver curiosidade pode acessar o link http://en.wikipedia.org/wiki/Argus_C3. Até mais!